SportsManaus
FUTEBOL AMAZONENSE

Ciente do jogo difícil com Ji-Paraná-RO na Série D, técnico Lecheva avisa: “O Fast tem uma identidade”

Após a segunda goleada e a retomada da liderança no grupo 1, com sete pontos, pelo Campeonato Brasileiro da Série D, o Fast Clube tem um compromisso com o Ji-Paraná-RO, segundo colocado com a mesma pontuação, mas em segundo pelo critério de desempate, porém, motivado para assumir a primeira colocação. A partida pela 5ª rodada, ocorre neste sábado, 10/10, às 16h (17h de Brasília), no Estádio Bianção, no interior de Rondônia.

Com segundo melhor ataque da Série D, com 10 gols marcados, ao lado da Cabofriense-RJ (grupo 7), o técnico do Tricolor de Aço, Lecheva, foi enfático ao afirmar que a equipe não vai mudar sua característica, mas admitiu que pode rever isso, dependendo da situação em campo.

– O Fast tem uma identidade, uma forma de jogar, nós não vamos abrir mão disso. Vamos buscar a vitória, mas é claro que as circunstâncias pode nos fazer tomar alguma atitude ou posicionamento diferente durante o jogo. O Fast vai entrar para jogar o futebol que vem jogando de forma ofensiva, buscando sempre o ataque e o gol para conseguir a vitória – explicou, mas avisou.

– O empate, claro, a gente tem consciência também não é um resultado ruim, em se tratando de um jogo fora de casa e uma equipe que está brigando pela liderança da nossa chave – disse ao SPORTS MANAUS.

Lecheva afirmou que o time vai jogar de forma ofensiva (Foto: Agência Sports Manaus)

Para Lecheva, o adversário vem mostrando uma evolução no grupo pelos últimos resultados conquistados, mas lembrou que cada partida tem sua particularidade, entretanto, todo cuidado é necessário para não vacilar.

– Acho que todos os jogos da Série D a tendência é que sejam difíceis. O que faz um jogo ou outro se tornar mais fácil é o desenvolvimento de cada equipe no dia e a tendência que seja muito equilibrado pelo momento das duas equipes com sete pontos. Além disso, ambos vem de vitória por goleada – comentou e afirmou que o fato do Ji-Paraná jogar em seus domínios leva uma vantagem.

– A diferença é que eles vão jogar em casa, em um clima que estão mais acostumados, em um campo que treinam e jogam também, enfim, não tiveram desgaste de viagem com dois jogos na sequencia em casa. Espero que a gente possa superar tudo isso, em campo, com bastante determinação e aplicação. Vamos tentar anular os pontos positivos do Ji-Paraná e explorar as deficientes, pois isso é o que a gente tem procurado fazer com todas as equipes – justificou Lecheva.

Além das dificuldades naturais de jogar fora e com um adversário motivado para superar um concorrente direto dentro do grupo por uma das vagas, o Rolo Compressor não vai contar com Daivison e Emerson Bacas, jogadores que vem mantendo uma regularidade na competição.

– A gente trabalha com todos os atletas em questão de igualdade para preparar todos para quando forem chamados suprir a ausência de algum jogador com a mesma qualidade do titular. Toda perda é sentida, porém, tenho falado muito isso, principalmente quando não se tem um grupo muito grande. Os jogadores irão fazer falta, mas espero que não faça falta para o jogo em si. Espero os jogadores que vieram possam dar sua parcela de contribuição suficiente para voltarmos com o resultado positivo – citou o comandante do Tricolor de Aço.

 

Outras postagens...

Com dois de Rossini, Manaus empata com Brusque-SC e decide o histórico título da Série D na Arena da Amazônia

Paulo Rogério

Adversário do Fast na Copa do Brasil Sub-17, técnico do Cuiabá-MT diz: “O sonho de todos é avançar de fase”

Paulo Rogério

Para o jogo com Nacional-AM pela Copa do Brasil sub-20, técnico do Avaí-SC diz: “Vamos começar do zero”

Paulo Rogério

Leave a Comment

Este site usa cookies. Isto é necessário para que sua navegação seja mais eficiente. Não coletamos nenhum dado pessoal do seu navegador. Entendi! Leia mais...