SportsManaus
ESPORTE AMADOR

Espanha e Sérvia decidem a final do Grand Prix de Vôlei LGBT neste sábado (30)

Da redação do SPORTSMANAUS, com informações da Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer – Sejel

Alegria, brincadeira e descontração, mas acima de tudo muita competitividade, vão invadir o Ginásio Poliesportivo do Amazonas (antigo Amadeu Teixeira) na decisão do Grand Prix de Vôlei LGBT  2017, entre Espanha e Sérvia, neste sábado (30), às 20h.  A disputa do terceiro lugar entre África do Sul e Nigéria abre a noite de pódios, às 18h, e promete reunir ao menos mil fãs do esporte e da comunidade LGBT. Os ingressos custam R$ 5 e estarão à venda na bilheteria do local, momentos antes da partida.

A competição, que durante toda a temporada conta com o apoio do Governo do Amazonas por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), reuniu 18 equipes que representaram as seleções de diversos países. As favoritas, Brasil e Nigéria, ficaram pelo caminho e abriram alas para a alegria de Espanha e Sérvia decidirem o título que vale R$1 mil.

– É a primeira participação da Sérvia no torneio e já chegou surpreendendo com uma vaga na final. Já a Espanha, vai para uma decisão pela terceira vez. Nas duas ela fez ‘a Vasco – contou o organizador da competição, Daniel Coelho, brincando com o rótulo de vice-campeão do time carioca, alegre por utilizar a Arena pela primeira vez em oito anos de disputa.

– É uma final inédita. Todo mundo esperava Brasil e Nigéria que são as potências do vôlei gay do Amazonas. É a competição das zebras. Mas estamos muito felizes por utilizar a Arena. O secretário de esportes da Sejel, Fabricio Lima, abriu as portas e estamos agradecidos por conta do poder público ajudar a crescer o nosso esporte. Antes não tínhamos esse apoio e tenho certeza que vai ser um grande espetáculo jogar no templo do esporte do Amazonas – frisou.

Saque de alegria

Se a rivalidade é o sentimento predominante numa final, pode-se dizer que para esta o sentimento principal é da alegria. Característico do público LGBT, a irradiação de felicidade promete predominar. Mas antes da bola começar “a voar”, as equipes já se estudaram e prometem uma final bastante colorida.

– A Espanha é uma equipe que joga junto há muito tempo, tem um entrosamento muito grande e o forte deles é o conjunto. Mas vamos para cima. Final é final. Temos uma equipe com uma boa defesa, uma ótima bloqueadora e uma ótima atacante. Vamos para cima – afirmou o meia de rede, Kleber Jesus, 26, conhecida no time da Sérvia como Barbie Eterna.

Se fosse no futebol, a Espanha seria conhecida como fúria, apelido dado pelos gramados do mundo. No vôlei LGBT, a equipe ficou sendo chamado por “as furiosas”, que não querem mais ficar com o caneco de prata. A meta agora é levantar e ostentar a medalha de ouro.

– Vamos fazer o impossível para que possamos levar esse título. Não vai ser fácil. Estamos diante de uma equipe que é uma potência, mas não vamos nos rebaixar. Eles têm uma defesa forte e temos que utilizar nossa bolas rápidas – contou o meia de rede Ytalo Massulo, 28, conhecido como Havenna.

O Fresca do ano

O famoso prêmio do Grand Prix de Vôlei LGBT, ‘O Fresca’ – item que permite que um atleta tire sarro com o adversário a cada ponto – será conhecido no sábado. Ao que tudo indica, o favorito para ganhar a premiação é o jogador da seleção da França, Thiago Saldanha, 24.

Caso o favoritismo seja confirmado, será a sexta vez que o jogador conhecido como Bianchini ficara com o título.

– Sou a melhor que grita, a melhor que faz o show para a arquibancada e estou defendendo o título de novo – declarou.

Outras postagens...

Atletas amazonenses participam de Campeonato Brasileiro Caixa de Atletismo em Recife

Paulo Rogério

Para manter supremacia, futebol de cinco adapta rotina na quarentena

Paulo Rogério

Amigas do Ary conquista 7ª Copa Estrela do Norte de Beach Soccer Feminino

Paulo Rogério

Leave a Comment

العربية简体中文EnglishFrançaisDeutsch日本語PortuguêsEspañol