full screen background image

No acesso a Série C, técnico do Atlético-AC ressalta trabalho na base e diz que Nacional-AM teve o grupo em 2016

401

O Atlético-AC fez história no futebol brasileiro ao conquistar o acesso para o Campeonato Brasileiro da Série C em 2018, no último final de semana, no empate com São José-RS em casa em 1 a 1. Com 65 anos de existência, o Galo Carijó entra para o seleto grupo dos clubes nortistas que conseguiram o feito. Com a vaga garantida, agora na primeira partida da semifinal do Brasileiro da Série D, o Atlético encara o Operário-PR, no domingo, 20/8, às 18h (19h de Brasília), no Estádio Florestão, em Rio Branco.

Com passagem como jogador pelo Rio Branco, Atlético e Amapá, sendo campeão na base, em 1981 e no adulto pelo Rio Branco, em 1983, mas com seu clube de coração, o Atlético em 1985 pela Taça Cidade de Rio Branco, o comandante Álvaro Migueis, fez questão de ressaltar ao SPORTSMANAUS, que o resultado do acesso se deve ao trabalho realizado na base do clube e não de jogadores vindos de outros estados.

– Dos trinta que fizeram parte da campanha, apenas sete não foram formados na base. Se fosse de outros locais dependeria da qualidade dos jogadores, se fosse de bom nível, sim, porque aqui tivemos trinta dias para treinar a equipe e, esse tempo, foi suficiente para ” fazer” um time jogar um bom futebol – comentou.

Álvaro Miguéis confessou que trabalha com os jogadores desde o sub-13 (crédito: Manoel Façanha)

Desde quando retornou ao clube de coração, na qual pertence à família Miguéis, conquistando o título Estadual após 25 anos, o treinador ano passado ficou perto da vaga na Série C, mas perdeu a chance, mesmo tendo a melhor campanha da competição. Para ele, que fez uma promessa para isso, mas principalmente do trabalho com a garotada do clube.

– É uma sensação de vitória, de objetivo alcançado, de ter cumprido uma promessa que fiz a alguns amigos anos antes. Alguns jogadores trabalham comigo desde os nove, dez anos… Sem dúvida, isso ajudou bastante, porque desde o sub-13, eles já tem um padrão de jogo definido, e fomos aprimorando com o passar dos anos. Esse resultado é fruto de disciplina, trabalho, competência e responsabilidade das pessoas que sempre trabalharam comigo ao longo desses anos – afirmou.        

Nacional

Sobre sua passagem pelo Nacional no Campeonato Amazonense do ano passado, quando foi contratado como uma espécie de “salvador da pátria”, Álvaro Miguéis, lamentou os problemas de contusões e suspensões. Segundo o técnico, se não fosse essas situações, com certeza, o Naça teria levado o título Estadual.

Ao fundo, a torcida do Galo lotou a Arena d a Floresta (crédito: Manoel Façanha)

– Viemos disputar o Amazonense com quatorze jogadores e, iniciamos muito bem, mas após as contusões em sequência dos nossos principais jogadores como Polaco, Rafael, Alfredo, Careca e Tragodara, além das suspensões de Eduardo e Careca, não conseguimos chegar à final. Se esses problemas não tivessem ocorrido, certamente seríamos campeões e teríamos conseguido o acesso pelo Nacional – disse e lembrou que o grupo que subiu com Atlético para Série C, uma boa parte fez parte do elenco azulino ano passado.

– Todos os quatorze que foram ao Nacional, subiram esse ano com o Atlético Acreano. Perdemos o acesso pelo Atlético Acreano quando tínhamos a melhor campanha da Série D em 2016, onde só jogamos o Amazonense pelo Nacional.                  



EDITOR - Paulo Rogério Veiga, comunicador esportivo, repórter, radialista e agente business de jogadores e treinadores. Contato 55+ (92) 99171-9226 vivo/watsap / 55+ (92) 98193-1304 tim/watsap. Email: pauloreporter@hotmail.com / pauloimprensa@gmail.com Leia mais em sobre o editor clicando aqui.