full screen background image

Representando o Brasil, AM Gabriel Moraes segue para World Pro de Jiu-Jítsu, em Abu Dhabi

129

Da redação do SPORTS MANAUS, com informações da Assessoria de Comunicação da Sejel

O maior e mais disputado evento de Jiu-Jítsu do Mundo, o World Pro, acontece nos Emirados Árabes de 17 a 23 de abril, na Ipic Arena. E se tratando de Arte Suave, o Brasil não poderia ficar de fora e segue para a competição com 55 atletas, sendo 24 amazonenses. Dentre os cascas grossas da terrinha baré que embarcam neste sábado (15) para o evento está o faixa preta Gabriel Moraes, uma das potências do esporte no País e que carrega a responsabilidade de mostrar no tatame uma técnica apurada, capaz de o fazer chegar no lugar mais alto do pódio. A delegação recebe apoio do Governo do Amazonas, via Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), e Ministério do Esporte.

Gabriel já é ‘conhecido’ do World Pro. Isso porque, ano passado, o atleta venceu a categoria Máster I, 62 Kg, por pontos, e além da medalha mais cobiçada da competição, também faturou US$ 5 mil, pouco mais de R$15 mil reais, além do respeito do idealizador do evento, sheikh Mohammed Bin Zayed. A missão, agora, não será diferente. O lutador de 34 anos vai disputar a mesma categoria e pretende, mais uma vez, deixa sua marca.

– Ano passado lutei pela primeira vez o evento em Abu Dhabi e fiz três lutas, vencendo as duas primeiras por finalização e a final por pontos. Não é algo fácil, pois lá estão os melhores do mundo, mas me preparei bastante pra isso. Ano passado, consegui investir a premiação e fazer o dinheiro render. Na carreira de atleta precisamos ter visão empresarial e, por isso, é necessário dar atenção às competições que valorizam os lutadores. A Seletiva em Manaus foi complicada e foi apenas o aperitivo do que deve vir pela frente lá – disse Gabriel.

Ainda segundo o amazonense, os principais adversários na competição devem ser brasileiros e americanos. Portanto, o atleta investiu durante três meses num treino específico, onde prevaleceu o drill (treinamento de movimentação e finalização), e o físico, algo em torno de seis horas por dia, 36 horas por semana. Além disso, a dieta foi levada a sério e o peso está batido para a missão.

– Para o World fiz camp em Manaus e investi no drill, onde aperfeiçoei a parte técnica junto com a minha equipe, que é formada pelo faixa marrom Junior Nagai, os pretas Mike Matos e Guilherme Carvalho, entre outros. Consegui evoluir na parte técnica e apurei meu jogo. Toda a minha preparação foi na Vila Olímpica e me sinto afiado para essa guerra, onde quem deve dar mais trabalho são os brasileiros. Mas tenho muita fé e é com ela que eu vou rumo a conquista de mais um sonho – destacou.

O amazonense ainda ressaltou que o tipo de luta empregado no World Pro é diferente de outras competições. Ao invés de dez minutos, são dados apenas cinco minutos de luta, o que torna a modalidade muito mais competitiva. “Os Emirados Árabes tem sido o principal País na campanha de tornar o Jiu-Jítsu uma modalidade olímpica. Com isso, a luta se resume em cinco minutos e isso torna a disputa mais difícil, pois é tudo muito rápido e testa a técnica e o psicológico. Eu quero muito que o Jiu-Jítsu se torne Olímpico e, como atleta, me sinto fazendo parte deste processo”, disse.

Carreira

Gabriel Moraes começou no Jiu-Jítsu aos 15 anos de idade e soma 19 anos de arte suave. O atleta conta que iniciou na modalidade pois não se dava bem nos outros esportes. A faixa preta foi conquistada em 2004, através do mestre Guto Monteiro, e durante todo este tempo de tatame ele conta que sofreu alguns preconceitos, mas que foi através do esporte que conquistou tudo o que tem.

– Eu jogava bola e não era bom, e aí o pessoal começou a me chamar para fazer Jiu-Jítsu e foi exatamente o esporte que me identifiquei. E durante todos esses anos, sempre fui muito feliz na luta, mesmo com os preconceitos sofridos. Muita gente dizia que eu não iria chegar a lugar nenhum com o esporte, achavam que luta era coisa de quem não queria nada com a vida, e eu provei ao contrário. Paguei toda a minha faculdade de Educação Física com o que ganhei no Jiu-Jítsu e ele que sustenta a minha família também, meu filho Ryan (sete meses) e minha esposa Jéssica, que é faixa roxa – contou.

Pretas

Além de Gabriel Moraes, mais quatro faixas pretas amazonenses passaram na seletiva do Worl Pro, o National, e seguem para a disputa em Abu Dhabi: Ayres Neto (Alliance, 62 Kg), Eduardo Inojosa (Ribeiro Jiu-Jítsu, 94Kg), ambos pela Master 1, e Huendel Osaki (Alliance, 56 Kg), e Diego Silva (Zenith, 85 Kg), que vão pela Adulto.



EDITOR - Paulo Rogério Veiga, comunicador esportivo, repórter, radialista e agente business de jogadores e treinadores. Contato 55+ (92) 99171-9226 vivo/watsap / 55+ (92) 98193-1304 tim/watsap. Email: pauloreporter@hotmail.com / pauloimprensa@gmail.com Leia mais em sobre o editor clicando aqui.